Passeios em Amsterdã: visitar igrejas inusitadas!

08/10/16 | Adriana Lage | Top 10

A capital holandesa guarda atrações diferentes e inusitadas e um dos passeios em Amsterdã que mais me surpreendeu foi uma… igreja. Imagine encontrar uma igreja católica escondida no sótão em pleno bairro da Luz Vermelha. E ela não é a única.

Nosso Senhor do Sótão (Our Lord in the Attic) proporciona uma agradável viagem de volta aos tempos áureos da Holanda durante o século XVII.

A igreja ocupa o sótão de três casas contíguas. Foto: Adriana Lage

A Era Dourada de Amsterdã

Proprietário do imóvel, o mercador de tecidos Jan Harman fez fortuna como coletor de impostos. Imigrante alemão e católico fervoroso vivendo em um país protestante, comprou três casas vizinhas em 1661 e as uniu para construir a igreja no sótão.

Planeje sua viagem pegando no Pinterest todas as minhas dicas divididas por país ou temas. Acesse este link e me siga para não perder as novidades.

Fachada esconde a igreja no sótão em Amsterdã.

Naquela época, a sociedade holandesa já era tolerante, apesar da forte influência reformista e, mesmo sendo uma igreja “escondida”, ela não era secreta. O governo aceitava a prática católica sob a condição de que os fiéis seguissem determinadas regras.

Por exemplo, era proibido aglomerar grupos na porta de entrada, colocar placas na fachada, professar a religião e andar com bíblias expostas pela rua.

O rico alter tem cores restauradas do século XVII. Foto: Adriana Lage

Como não podiam ser vistas da rua, o sótão era o lugar ideal para “esconder” tais igrejas. Todos os dias, 200 pessoas atendiam às missas.

Existiam cerca de 25 dessas igrejas na época, não tão grandes e bonitas como a Nosso Senhor do Sótão e atualmente apenas duas ainda existem. No entanto, perderam sua originalidade quando foram reformadas ao estilo do século XIX. Outras ainda foram inteiramente transformadas em igrejas após 1853.

Inscreva-se em nosso canal no Youtube e inspire-se em nossos vídeos de viagem.

No túnel do tempo

Você realmente volta na história ao entrar no edifício. Logo estranho a escuridão do ambiente e descubro que as salas foram mantidas escuras propositadamente para nos mostrar o quanto de luz natural entrava pela janela na época durante o dia.

Siga @adri.lage no Instagram e acompanhe em tempo real sua viagem de volta ao mundo.

A sala em que a família recebia visitas apresenta material autêntico do século XVII e decoração em estilo holandês clássico, simétrica, com gesso amarelo. Uma porta falsa à esquerda fora colocada apenas para manter a harmonia do espaço. O piso e o teto são originais.

Chamado “nine coffers”, a peça guardava valores e fica ao lado da cama. Foto: Adriana Lage

Na sala de estar, uma das paredes ostenta um quadro de São Nicolau, a quem a igreja era devotada. À noite, o recinto se transformava em quarto. Note o detalhe dos degraus das escadas que levam a esta sala, em formato côncavo e convexo. Foi feita de carvalho e é um dos exemplares originais da época.

Gosto bastante de visitar essas casas porque retratam como era viver em determinada época. Até a cozinha foi restaurada em sua versão original.

Retrato da vida familiar holandesa no século XVII. Foto: Adriana Lage

Quando a nova igreja de São Nicolau ficou pronta e começou a ser usada pelos fiéis em 1887, a pequena igreja no sótão passou a se chamar Nosso Senhor do Sótão e tornou-se museu.

No local ainda celebram-se missas mensalmente e durante o natal. Cerimônias de casamento também são realizadas e era tradição a noiva dedicar o buquê à Virgem Maria, símbolo da felicidade.

O museu recebe 100 mil visitantes ao ano e recentemente foi inaugurada a extensão na casa vizinha. Ela ganhou nova entrada e salas adicionais apresentando informações educativas como tolerância e diversidade religiosa, valores tipicamente holandeses. Café e lojinha também têm espaço na nova casa.

Como visitei perto do natal, o presépio estava montado. Foto: Adriana Lage

Passeios em Amsterdã: igrejas, sim!

Existem outras igrejas interessantes para visitar em Amsterdã. Aliás, a Holanda inteira tem igrejas, basílicas e catedrais que foram transformada em espaços públicos, livrarias e até hotéis.

Vista de Amsterdã a partir da igreja no sótão.

Amstelkerk

Esta igreja de madeira do século XVII tem projeto do arquiteto holandês Daniel Stalpaert, que ajudou na criação do Palácio Real. A igreja está localizada em Amstelveld, uma das praças mais bonitas da cidade.

O interior neogótico e o órgão monumental são do século XIX. Aqui também acontecem concertos.

Begijnhof

Atrás do belo portão de ferro está o jardim particular das Beguinas, mulheres católicas e castas que se dedicavam a ajudar os necessitados. A capela, construída no século XIV e reconstruída após dois incêndios, está aberta durante o dia. Celebram-se duas missas diariamente e há padres disponíveis para confissão e conselhos. A casa de n.34 é a mais antiga de Amsterdã.

Passeios em Amsterdã: Begijnhof, atração mandatória.

Oude Kerk

Fundada em 1213, a velha igreja de Amsterdã tem 800 anos e ostenta o título de edifício e paróquia mais antigos da cidade. Também localizada no bairro da Luz Vermelha, hoje recebe concertos e exposições de figuras ilustres, principalmente holandesas.

Singelkerk

Belo exemplar das igrejas clandestinas, ponto de encontro dos menonitas flamengos, ainda é usada pelos fiéis.

Vondelkerk

Situada no Vondel Park, um dos passeios em Amsterdã mais tradicionais, foi usada como igreja de 1880 a 1977. Projetada pelo holandês P.J.H. Cuypers, o renomado arquiteto responsável pelo Rijksmuseum, hoje abriga escritórios e aluga o espaço para casamentos, concertos e eventos.

Our Lord in the Attic

Onde: Bairro da Luz Vermelha, Amsterdã, Holanda.

Horário: segunda a sexta, de 10h às 17h. Domingos e feriados de 13h às 17h.

Site: https://www.opsolder.nl/en

Este artigo foi escrito por mim e publicado em diversos sites na web.

Quais são as suas dicas de passeios em Amsterdã? Fale aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *