Vista do mar Mediterrâneo em Monterosso. Foto: Adriana Lage

Viajar sozinha no mundo é seguro? Dicas, onde ir, como agir

Viajar sozinha no mundo é seguro? Cresce o anseio em mulheres de todas as idades de conhecer novos lugares, viver novas experiências.

Isso decorre do aumento no poder aquisitivo e de autossuficiência feminina, graças a Deus.

E cada vez mais elas se inspiram em outras viajantes para criar coragem e cair na estrada. Mas aí vem a dúvida. É seguro viajar sozinha? E os casos de violência que escutamos? O que fazer?

A tragédia ocorrida com as meninas argentinas assassinadas no Equador no início de 2016 ganhou audiência pelo machismo como foi tratada. Aquilo poderia ter acontecido em qualquer lugar, até mesmo na Argentina.

Não foi um atentado contra viajantes. Foi uma violência contra mulheres. Uma rápida leitura em páginas policiais de jornais confirma os crimes constantes contra nós do gênero feminino.

É fato que estamos em desvantagem no quesito força e é imperativo considerar algumas medidas para realizar uma viagem solo segura.

Pense que assédio e discriminação existem em maior ou menos grau dependendo do nível cultural do país. América do Norte, Oceania e Europa são destinos mais seguros para a mulher viajar sozinha do que América Latina e países árabes porque elas avançaram algumas casas na conquista de seus direitos.

Entretanto e infelizmente isso não garante uma viagem em segurança total.

Existem condições desfavoráveis que nos tornam alvo frágil e certeiro: não conhecemos a região, não temos amigos ou familiares para nos ajudarem, não falamos o idioma e ….. estamos sozinhas.

Portanto, reflita sobre o objetivo de sua viagem. Pense sobre certas atitudes que podem evitar maus bocados e garantir que você verá o sol nascer no dia seguinte.

Planeje sua viagem pegando no Pinterest todas as minhas dicas divididas por país ou temas. Acesse este link e me siga para não perder as novidades.

Viajar sozinha no mundo: eu adoro

Viajo há 20 anos, muitas vezes sozinha e nunca me senti ameaçada ou amedrontada. Confesso que conheço poucos países na América Latina e me aventurei menos ainda em países árabes. Fui ao Egito, Tunísia e Jordânia por enquanto. E não tive problemas em nenhum deles, a não ser a oferta de casamento em troca de alguns camelos. Verdade! rs.

Na Oceania fui para a Austrália e agora estou em uma longa viagem à Ásia, sem data de retorno. Já passei pelo Japão, Sri Lanka, Tailândia, Singapura, Myanmar, Camboja e estou me sentindo muito à vontade. Povo tranquilo, da paz, principalmente os menos turísticos.

Leia também: 9 meses de viagem pelo sudeste asiático: o que eu aprendi

Templo de Hatshepsut, em Luxor, Egito. Foto: Adriana Lage
Templo de Hatshepsut, em Luxor, Egito. Foto: Adriana Lage

A sensação de conquista e as experiências vividas valem a superação de medos e inseguranças. Me tornei uma pessoa melhor por viajar sozinha. Aprendo muito. Sempre.

Enumero aqui minhas dicas para você viajar sozinha no mundo com segurança:

Inscreva-se em nosso canal no Youtube e inspire-se em nossos vídeos de viagem.

Viajar sozinha, onde ir

A ONU atualmente reconhece 193 países (Vaticano e Taiwan, por exemplo, estão fora dessa lista). Pergunte-se se este é o momento exato para você viajar para o Marrocos sozinha, por exemplo. Não estou dizendo para você não ir. Existem mulheres viajando sozinha por lá. Tudo depende do seu  modo de viagem, orçamento e precações.

Minha irmã viajou sozinha para o Marrocos. Foi seguida mais de uma vez em Marrakesh e se sentiu insegura. Desistiu de continuar a viagem e voltou à Europa.

Países muçulmanos têm sociedades bem machistas, por isso espere ser abordada, seguida, observada.

Há tantos países lindos para conhecer! Faça a escolha certa!

Leia também: Casos de viagem: Visitando as pirâmides do Egito antigo

Viajar sozinha: dicas

Programe bem sua viagem

Compre passagens com horário de chegada no destino ainda de dia, reserve hotéis bem localizados e use transporte público ou táxis cadastrados.

Tenha cópias dos cartões de crédito e telefones de emergência. Ande com cópia do passaporte e CNH e guarde os originais no cofre do hotel, claro se for confiável. Esconda seu dinheiro em lugares diferentes para não ficar desprevenida em caso de assalto. Se puder, retire quantidades pequenas de dinheiro do banco para evitar andar com altas quantias.

Siga @adri.lage no Instagram e acompanhe em tempo real sua viagem de volta ao mundo.

Em Zakopane, sul da Polônia. Foto: Adriana Lage
Polônia é um país mega tranquilo para viajar sozinha. Foto: Adriana Lage

Pesquise bastante

Leia bastante sobre a experiência de outros viajantes, homens e mulheres. Pesquise artigos sobre como aquela sociedade entende a mulher, como a enxerga. Você estará prevenida para agir em certas situações e evitará cometer gafes ou entrar em enrascadas por ignorância.

Vai viajar sozinha? Prepare-se

Considere entrar numa academia por seis meses para aprender alguma defesa pessoal ou arte marcial. Tae kendow, krav magá, boxing… Eu sempre tive vontade de fazer krav magá mas consegui fazer só um mês de curso. Logo arrumei as malas e parti. Acredito que em uns seis meses viajar sozinha pelo mundo fica ainda mais fácil com uma defesa pessoal na cartola.

Entenda a cultura local

Uma das grandes riquezas de uma viagem – e a que eu mais adoro – é conhecer hábitos e costumes locais. Na Holanda, é comum mulheres irem a bares sozinhas e a chance de serem importunadas é mínima.

No lado oposto da régua, entre em um bar desacompanhada no Marrocos (ele de novo) ou na a Tunísia e encontrará encrenca logo.

Pense que você está viajando para adquirir experiências únicas e não para realizar pesquisas sobre o comportamento masculino usando sua pessoa como cobaia para um estudo empírico.

Leia também: É seguro viajar para a Europa com os ataques terroristas?

Cradle Mountain, Tasmânia. Foto: Adriana Lage
Na Tasmânia, em Cradle Mountain, mega seguro viajar sozinha. Foto: Adriana Lage

Que roupas levar em uma viagem sozinha?

Em países muçulmanos, poucas mulheres andam nas ruas e se cobrem dos pés à cabeça para sair. Vista-se com moderação, mesmo que você não concorde. Respeite e adapte-se à cultura local.

Use saias ou calças compridas e não mostre ombros, a não ser que deseje atrair mais ainda a atenção masculina. Reserve shorts e regatas para a mala de praias da Tailândia, por exemplo.

Em minha viagem ao Egito, usei calça jeans e camiseta de manga curta. Acredita que eu chamava atenção por estar com os braços e cabelos descobertos? Não fui assediada, mas os olhares por vezes me incomodavam.

Em contrapartida, na Tunísia recebi tantas ofertas de casamento que eu dispensava com bom humor dizendo que era casada.

Leia também: Sidi Bou Said, Tunísia: a cidade azul e branca no Mediterrâneo

Placa de dromedários na estrada na Tunísia. Foto: Adriana Lage
Na Tunísia, minha mãe foi mais pedida em casamento do que eu. Foto: Angela Manta

Memorize expressões-chaves

Sabemos o quão respeitoso é saber falar palavras e frases educadas no idioma do país visitado. Bom dia, boa noite, por favor e obrigada são mandatórias no novo vocabulário.

Eu aprendo expressões para assustar indivíduos mais atirados. Experimente usar “Pare senão chamarei a polícia” – na verdade nunca precisei usar esta frase. Ou dizer mentiras brancas como “sou casada” para perguntas frequentes que recebo.

Ok, são tipicamente machistas, mas não ligo. Quando em Roma, aja como os romanos! Estou sozinha numa sociedade totalmente machista e quero evitar problemas.

Não pretendo convencê-lo sobre meus direitos como ser humano. Desejo continuar minha viagem sem maiores problemas.

Como agir em uma viagem sozinha

Tenha postura firme. Aja como alguém que sabe onde está indo e o que pretende fazer. Homens mal intencionados se apoiam no medo da mulher, de sua fragilidade em reagir.

Caso perceba alguém te seguindo, entre no primeiro estabelecimento aberto e peça ajuda. Outra atitude é simples: vire para trás e grite. Diga que chamará a polícia. Tenha certeza que o elemento virará as costas e sumirá.

Nada melhor que um escândalo para afastar o perigo. Estou rindo só de imaginar a cena rs.

Viajar sozinha na Europa é tranquilo. Foto: Adriana Lage
A pé meia-noite em Chartres para ver o show de luzes. Super tranquilo. Foto: Adriana Lage

Redobre a atenção em bares

Viajar sozinha traz oportunidades de conhecer gente dos quatro cantos do mundo. O ambiente de bares é descontraído, porém o risco de assédio por indivíduos com terceiras e quartas intenções é alto. Igualzinho onde você mora.

Evite álcool ou beba com moderação para manter-se alerta sobre o que acontece ao seu redor.

E sabe aquelas recomendações de mãe? Elas valem aqui também: Nunca saia ou fique sozinha com um recém conhecido. Grude seus olhos ao seu copo para evitar a surpresa de um boa-noite cinderela.

Jamais mencione que está viajando sozinha e sempre, mas sempre mesmo, confie em sua intuição. Melhor voltar mais cedo e sozinha para o hotel do que correr o risco de nunca mais voltar para casa.

Eu particularmente sou uma pessoa diurna. Dificilmente saio à noite porque bato tanta perna durante o dia que estou exausta no fim do dia, desejando banho e cama.

Não tenho experiências de bares para contar. Não costumo frequentá-los nem mesmo em casa e não me fazem falta.

Vá sem medo, aproveite!

Explore, divirta-se, medite, converse, repense sua vida, entre em contato com você mesma. Viajar sozinha no mundo promove o encontro de você consigo mesma e o aprendizado advindo dessa experiência é enriquecedor.

Como disse acima, adoro o sentimento de liberdade e autossuficiência que tomam conta de mim. A sensação de poder é engrandecedora e muda para sempre a maneira de ver a vida e agir mantendo nossa feminilidade, inerente da mulher.

Viajar sozinha pelo mundo é bom demais!

Nota: Divulguei este artigo mais resumido em março de 2016 como press-release logo após a tragédia com as jovens argentinas. Talvez você o tenha lido por aí.

E você? Quais são as suas dicas, viajante? Tem experiências sobre o assunto pra compartilhar? Vai viajar sozinha? Conte aqui!

Aproveite e leia também

Deixe uma resposta