Pinturas de povos locais em Luang Prabang, no Laos. Foto: Adriana Lage

Por que não viajar para o Laos, um destino overrated

Esperei, ansiei, desejei tanto viajar para o Laos, tamanha é a propaganda sobre um país autêntico, povo caloroso e amável, riqueza cultural, diversidade racial e, assim, promete experiências únicas ao viajante.

Cheguei com expectativa alta e a realidade não foi o que eu aguardava. Para mim, o Laos é um destino overrated, superestimado, que cobra muito e oferece pouco. Engraçado como cada pessoa tem uma visão conforme seus valores de vida, estilo de viagem e momento pelo qual está vivendo.

Planeje sua viagem acompanhando no Pinterest todas as minhas dicas divididas por país ou temas. Acesse este link e siga o A Camminare para não perder as novidades.
Amanhecer em Luang Prabang, Laos; Foto: Adriana Lage
Entardecer em Luang Prabang, Laos; Foto: Adriana Lage

Laos, destino para dois tipos de viajantes:

1. o mochileiro, aquele ser desapegado que chega de barco ou ônibus, prova comida de rua, hospeda-se em albergues ou guesthouses simples onde as camas são duras e os ambientes precários de limpeza. Considero-os aventureiros que gastam pouco e não sentem falta de conforto. Invejo-os até 2095.

2. o viajante de luxo, que viaja na “bolha”. A pessoa conhecedora de meio mundo e vem num grupo fechado com roteiro especializado. Chega de avião, não se importa com o preço mais alto das passagens (na verdade, nem sabe), fica nos melhores hotéis acima de USD 300 a diária, passa dois dias intensivos em tours e vai embora para outro país dizendo que A-M-O-U o Laos.

Veja bem, não são críticas, apenas percepções sobre estilos de viajantes, para você entender a qual dessas tribos você pertence.

Inscreva-se em nosso canal no Youtube e inspire-se em nossos vídeos de viagem.
Rua principal de Luang Prabang, Laos. Foto: Adriana Lage
Pouco movimento na rua principal de Luang Prabang. Foto: Adriana Lage

Eu me encaixo numa coluna do meio. Meus quarenta anos não me permitem mais certos perrengues, nem minha coluna deixaria. Preciso do conforto de um quarto particular com cama confortável e lençóis brancos. Me enredo na culinária típica desde que seja sanitariamente segura, sem excesso de gordura e desapimentada.

Sou mais do tipo cidade do que natureza e amo aprender sobre história, cultura do lugar e seu povo, sempre analisando custo x benefício das experiências que o destino me oferece em relação ao valor final da conta.

E aí penso nos meus amigos, colegas e a maioria dos viajantes deste planeta que dispõem de apenas um mês de férias ao ano, guardam seu rico dinheirinho para fazer aquela super viagem e viver experiências inesquecíveis.

Se você se encaixa neste perfil de viajante, o Laos pode ficar lá no fim da sua lista.
Analise os argumentos abaixo para você tomar a sua decisão se o Laos é ou não um destino para você:

Passagem cara

A passagem para o Laos é bem mais cara do que para outros destinos no sudeste asiático. Com um terço do valor você vai a Chiang Mai e Hanói, por exemplo, dois destinos riquíssimos em experiências.

Hospedagem cara

Diárias de hotéis no Laos em geral são bem mais elevadas do que em outras cidades. Mesmo em hotéis boutique em que você paga USD 80 a 120 por noite, espere encontrar colchões bem duros, camas mal arrumadas, chuveiros improvisados no canto do quarto e cheiro de umidade.

Visitei uns vinte hotéis e pousadas de quatro estrelas e só um passou no meu teste de qualidade. Os cinco estrelas são todos bons.

Siga @adri.lage no Instagram e acompanhe em tempo real minhas viagens pelo mundo.
Por que não viajar para o Laos: Quarto de hotel em Luang Prabang, Laos; Foto: Adriana Lage
Por que não viajar para o Laos: hotéis caros sem conforto. (Detalhe da cama mal arrumada). Foto: Adriana Lage

Gastronomia cara

Existem opções de restaurantes que servem culinária laosiana e muitos menus franceses, mas achei o valor final das contas bem similar ao que costumo pagar em cidades mais caras como Bangkok e Singapura.

Poucos desses lugares oferecem experiências completas, ao analisar localização e ambiente do restaurante, variedade e criatividade do menu, apresentação e sabor do prato, serviço e experiência como um todo.

Ressalto que adorei a experiência gastronômica em Luang Prabang, um dos pontos altos da minha estada por lá. Matei saudades dos crepes franceses e me deliciei em pratos laosianos (adaptados para o paladar do estrangeiro que não gosta de pimenta rs).

Por que sim viajar para o Laos: gastronomia deliciosa. Foto: Adriana Lage
Por que sim viajar para o Laos: gastronomia deliciosa. Foto: Adriana Lage

Diversidade de atividades e passeios

Dois dias são suficientes para você conhecer Luang Prabang e não há passeios interessantes ao redor. Muitos tours de bike e hiking são furadas (fiz um e todo o grupo achou tourist trap – com a Green Adventures – fuja deles).

Arredores de Luang Prabang, Laos. Foto: Adriana Lage
Por que não viajar para o Laos: Tour de bike furada nos arredores de Luang Prabang. Foto: Adriana Lage

Templos, monges, santuários de elefantes, cruzeiro pelo Mekong, tudo isso você vivencia no Vietnã, Camboja, Mianmar e Tailândia, destinos que oferecem muita riqueza cultural, natural e histórica.

A natureza não é nada diferente daquela que vemos no nosso Brasil varonil. Quem ama são os gringos que não estão acostumados com tanto verde.

Os laosianos

O povo local é bonzinho, mas tímido, e tem pouquíssimo domínio do inglês, o que compromete bastante a comunicação se você não está com um guia que fala fluentemente o inglês (ou francês). Por exemplo, é comum você ficar sem resposta ao fazer uma pergunta fora do script normal de pedido de restaurante.

Você espera encontrar os grupos étnicos vestindo suas roupas coloridas e não dá de cara com nenhum deles. Eles moram ao redor de Luang Prabang em assentos do governo que os deslocaram das regiões montanhosas de difícil acesso.

São meramente vilarejos pobres sem nenhuma autenticidade. Para vê-los em sua origem, é necessário rodar no mínimo 6h de carro em estradas sinuosas de qualidade ruim. A menos que você seja aventureiro desprendido, esqueça.

Casa típica de grupo étnico em Luang Prabang, Laos. Foto: Adriana Lage
Por que não viajar para o Laos: raramente você entrará em contato com os grupos étnicos locais. Foto: Adriana Lage

Por que não viajar para o Laos: Resumindo

Pensando no custo x benefício de tempo e os valores gastos para locomoção (afinal perde-se praticamente um dia de viagem cada vez que entramos no avião), oportunidades de experiências únicas, riqueza cultural, histórica e belezas naturais, infraestrutura e conforto, na minha opinião o Laos é um país que não consegue competir com seus vizinhos e ainda deixa muito a desejar.

Não estou dizendo que não há o que ver no Laos. Minha análise é sobre o custo x benefício geral do que o país oferece em comparação com outros países asiáticos. Eu achei o Laos muito marrom nos cenários e eu preciso de cor em minha vida.

Por do sol no Rio Mekong em Vientiane, Laos. Foto: Adriana Lage
Por do sol no Rio Mekong em Vientiane, Laos. Foto: Adriana Lage

Vale a pena pagar uma passagem cara, estadia cara, para ficar apenas dois dias numa cidade?

Se você acha que não, troque seus quatro dias de Laos (dois para chegar e sair e dois de visita) e estenda sua viagem por Mianmar, Vietnã e a dupla Chiang Mai – Chiang Rai.

Se você acha que sim, vale a pena viajar para o Laos.

Se você pensa diferente, quer ver com seus próprios olhos e deseja colocá-lo em sua lista, vá! Eu te encorajo a passar pela experiência, afinal cada vivência é única.

Cada um de nós tem uma expectativa, um olhar, uma necessidade diferente. Não existe certo ou errado, não há uma verdade única. Há o que serve ou não para mim e que pode ser diferente para você.

Recomendação especial se você viajar para o Laos

Para aproveitar ao máximo, comece sua viagem no sudeste asiático pelo Laos. De todos os países da região, eu o considero o mais fraco de atrações turísticas (e infraestrutura) tanto em quantidade como em qualidade.

Você começará se acostumando com o fuso horário, se maravilhando com os templos e com os noviços andando pela rua e pelo exotismo dos mercados de rua. Quando for para os outros países, as maravilhas só aumentam.

Noviço em templo em Luang Prabang, Laos. Foto: Adriana Lage
Por que não viajar para o Laos: exploração turística sobre os monges, noviços e a pobreza. Foto: Adriana Lage

Se puder escolher, o melhor mês para visitar o Laos é novembro, quando as chuvas já passaram e as florestas ainda estão verdinhas. Dezembro e janeiro têm temperaturas bem frias e as matas começam a secar.

Fevereiro e março voltam a ter temperaturas elevadas, muita poeira suspensa no ar, clima bem seco e paisagem marrom em virtude da falta das chuvas que logo começarão a cair.

Estou terminando um post onde conto quais são as atrações que valem a pena conhecer em Luang Prabang.

Clique na foto para salvar o post no Pinterest!

Por que não ir ao Laos. Leitura para você refletir e te ajudar a escolher os países a visitar no Sudeste Asiático.
Por que não ir ao Laos. Leitura para você refletir e te ajudar a escolher os países a visitar no Sudeste Asiático.



Booking.com

Viaje aqui também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.