Almoço no trem entre Kandy e Nuwara Eliya, Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage

Não confie em blogs de viagens estrangeiros

Cuidado com blogs de viagens estrangeiros! Eu não confio. Refiro-me em particular às opiniões de viagem de europeus, americanos e canadenses, habitantes de um planeta diferente do nosso Brasil varonil, onde tudo acontece redondo.

Moradores de cidades limpas, seguras e organizadas onde tudo (ou quase tudo) funciona com perfeição aos nossos olhos verdes-amarelos carentes de infraestrutura pública geral.

O que isso tem a ver com viagem? Tudo. Jornalistas e blogueiros estrangeiros louvam férias em países “exóticos”, onde o caos, a pobreza e a desorganização imperam. Países do hemisfério sul em sua maioria encaixam-se nessa categoria, inclusive nós.

Aí no site de um renomado jornal internacional você lê um artigo sobre como a experiência a bordo do trem pelo interior do Sri Lanka é fantástica ou a visita àquela cidadezinha no alto da montanha no interior do Vietnã é imperdível. Você acredita, você sonha, você planeja e você vai… vai e se ferra.

Viaje mais: Por que não viajar para o Laos, um destino overrated
Templo da Relíquia do Dente de Buda, Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Templo da Relíquia do Dente de Buda no Sri Lanka vale a pena conhecer, Foto: Adriana Lage

Digo isso com propriedade. Foi assim no Sri Lanka, um trecho turístico de trem entre as cidades de Kandy, centro religioso cingalês, e Nuwara Eliya, onde são plantados os abençoados chás do Ceilão.

O que o gringo chama de experiência fantástica, eu chamo de perrengue. De repente pra você também é experiência. Ótimo! Tem lugar para todo mundo neste lindo planeta!

Eu juro pra vocês que sou uma viajante bem humorada que transita muito bem entre o simples e o luxo, mas eu tenho o meu limite. A passagem comprada era da melhor classe a bordo.

Linda manhã no Jardim Botânico em Kandy, Sri Lanka,
Linda manhã no Jardim Botânico em Kandy, Sri Lanka,

O comboio parte de uma estação ferroviária simples, zero problema. Uma hora e meia de atraso, eu sentada num banco sem encosto naquele calor úmido desgraçado.

Aproveito para colocar as mensagens do Instagram em dia. Então o embarque acontece, assento 6B. Não, não é janela e eu sou janeleira. Isso nem é o pior. Vai vendo.

Trem na estação de Kandy, Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Lá vem ele, atrasadinho! Chegando na estação de Kandy, Sri Lanka. Foto: Adriana Lage

A fileira 6 tem uma fresta de quatro dedos de largura no máximo, lembra uma grande fenda de cofrinho de moedas. O irritômetro desperta. Como assim vou fazer uma viagem de trem para apreciar a paisagem sem vista da janela? Pra constar, foi a agência que comprou a passagem pra mim.

Trem no Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Tá bom assim? Mega experiência autêntica de viagem!

Muito contrariada me acomodo à poltrona. À minha frente, um ventilador engordurado de poeira pregado no teto. Pensei: é o fim. Não era. O trem começa a se movimentar… de trás pra frente… É isso mesmo, meu assento é de costas, eu sofro de motion sickness, enjoo fácil. Joguei a toalha. Morri.

Trem no Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Viu os fios elétricos à mostra?

Eis que no fim do fim do poço surge uma luz abençoada. Mal a máquina sai da estação, os passageiros se levantam e caminham até o vão aberto entre os vagões, onde ficam em pé observando a paisagem, se divertindo com o vento abafado batendo no rosto.

Pulo apressadamente para um assento à janela no mesmo sentido que o trem andava. Melhor assim! Olho para fora e me pergunto: o que esse monte de mata verde selvagem tem de especial? Elas abundam na minha terra onde canta o sabiá.

Trem no Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Blogs de viagens estrangeiros adoram essa paisagem. Tento me inspirar. Foto: Adriana Lage

Pelo menos não passarei mal. A fome bate, chega a refeição de bordo. Tchan-an! Marmita de chicken curry, o prato tradicional do Sri Lanka que venho comendo desde o primeiro dia em que pisei na ilha. Já perdi a vontade pela apresentação, eu como com os olhos! Apimentado, muito apimentado. As bananas trazidas pelo meu querido guia Upali e as castanhas de caju compradas na estrada no dia anterior foram a salvação.

Refeição no Trem no Sri Lanka, A Camminare Blog de Viagem by Adriana Lage
Ou eu comia só arroz ou ficava na banana com castanhas.
Viaje mais: Histórias de viagem: um Don Juan croata em Paris

Divagando, me consolava: são apenas três horas… que se tornaram quatro e meia. Calor, cenário desinteressante, sacolejando mais que gado na carroça do caminhão.

Quando o trem finalmente parou em Nuwara Eliya seis horas após minha chegada à estação ferroviária em Kandy, eu estava devastada, esvaída de qualquer sinal de energia.

Todo faceiro me aguardando na saída da estação, meu guia acena para mim e pergunta: e aí, como foi? Minha cara de brava indisfarçável já dizia, mas ele não soube ler.

Respirei fundo e respondi no tom mais cordial que o momento me permitia: “Por favor, Upali, peço que não me pergunte nada agora. Estou exausta.” Coitado, ele não tem responsabilidade sobre o que aconteceu e não quis derramar minha indignação sobre ele.

Meu desejo era pegar o avião e voltar pra casa no mesmo dia, mas ainda bem que fiquei. O cansaço passou, o trauma virou experiência para não repetir e vivi um dos momentos mais lindos do meu sabático no dia seguinte.

Siga @adri.lage no Instagram e acompanhe em tempo real minhas viagens pelo mundo.

🇧🇷. 🇬🇧⬇. No Sri Lanka, o momento mais desejado aconteceu no último dia de viagem. Saindo de carro de Nuwara Eliya, encontrei as colhedoras de chá trabalhando nas colinas de plantações. Desci e me embrenhei entre os densos arbustos para conversar com elas. Imigrantes tâmeis, uma etnia indiana, são as únicas que se dispõem a fazer o trabalho manual e barato de colher apenas as duas folhas mais novas e o broto da erva. Habilidade e rapidez incríveis, vão jogando as folhas no cesto que carregam nas costas. Chegam a colher 20k diariamente. Elas pontilham os terraços verdes com seus trajes coloridos como se fossem enfeites de uma árvore de natal ao longe. Se esforçaram para conversar comigo e me ensinar como colher o chá, rindo e felizes pelo meu interesse. Até hoje me emociono. A maior lição de humildade que eu tive na viagem. . – Mais no Instastories @adri.lage

Uma publicação compartilhada por Adriana Lage -A Camminare Blog (@adri.lage) em

Meses depois, quando chegou a vez de planejar a viagem ao Vietnã, abortei as montanhas “imperdíveis” do interior sem medo de ser feliz porque para chegar ao destino levaria horas e precisaria enfrentar estradas estreitas e sinuosas com motoristas sem noção de direção preventiva. E apaguei todas as referências que eu tinha de viajantes estrangeiros.

Eles viajam PRA passar perrengue. Depois voltam para o conforto de seus lares e segurança de seus países cheios de histórias pra contar. Eu não e você provavelmente também não.

Perrengue brasileiro já passa todo dia enfrentando trânsito louco, cinco sentidos em alerta para não ser roubado ou levar um tiro e trabalhando muito para transformar quatro reais em um eurozinho apenas.

Durante as férias, quero conforto, beleza, tranquilidade, cultura, flanar sem medo nas ruas. Quero ir para o lugar de onde eles desejam fugir. Nossas referências são diferentes, pelo menos as minhas são!

Por isso, se foi gringo que disse, eu não confio.

Blogs de viagens estrangeiros

É lógico que existem sites e blogs de viagens estrangeiros com excelentes dicas para o meu gosto, bem como pessoas com interesses similares ao meu e a premissa é válida para o Brasil também.

Meu objetivo aqui é levantar o questionamento sobre onde você se inspira para planejar seu próximo destino.

Ao procurar informações e dicas de viagem em blogs e sites na internet, avalie se você se identifica com o perfil de quem escreve o blog antes de confiar no conteúdo.

Planeje sua viagem acompanhando todas as dicas do A Camminare no Pinterest, divididas por país ou temas, e não perca as novidades!

Clique na foto para não perder este artigo e salve-o no Pinterest para acessá-lo sempre que quiser.

não confie em blogs de viagens estrangeiros, Trem em Kandy, Sri Lanka

Acompanhe de perto o A Camminare

É só clicar no ícone.

Clique para seguir o Instagram @adri.lage Clique para seguir o Pinterest A Camminare Clique para seguir o Facebook A Camminare Clique para seguir o Youtube A Camminare
Viaje aqui também:

Sri Lanka: por que visitar a ilha agora

9 meses de viagem pelo sudeste asiático: o que eu aprendi

Quanto tempo antes do voo devo estar no aeroporto?

Selfies perigosas e mortais, histórias com final infeliz

Ingressos e tours online, vantagens e onde comprar

Sri Lanka: por que visitar a ilha agora

4 comentários sobre “Não confie em blogs de viagens estrangeiros

  1. Bem isso quilometros d floresta, de savana, de areia, tenho aqui do lado de casa , sāo coisas q nāo procuro em viagem ; e conforto , é mesmo indispensável e fundamental

  2. Concordo com você em gênero, número e grau. Tem um tipo de europeu que adora ver aldeão e criança sorrindo no meio da miseria, dormir em cada sobre palafitas, atravessar pontes precárias, etc. Assim que cheguei a Holanda percebi logo isso. Nem adianta eu mostrar outro ponto de vista, eles pensam logo que sou arrogante e “alienada” (pasmem, como se qualquer brasileiro não fosse confrontado diariamente com as injustiças e mazelas da vida). Ano passado um casal de amigos holandeses planejou uma viagem para o Quênia para fazer 15 dias de mountain bike pelo interior do país. Deu no jornal holandês que justamente estava sendo uma área de conflitos étnicos, muito estupro de jornalistas e funcionários de organizações de caridade… Eles foram assim mesmo. Até lamento ter aconselhado a talvez mudar de planos. Tudo correu bem e eu devo ter ficado com a imagem de “agourenta”. Agora, quando ouço que alguém quer se meter em algum buraco durante as férias apenas digo como meu marido : “Que legal! Vai se divertir!” Rs

    1. Meodeos, Ana, que risco! Tantos destinos no mundo para conhecer!
      Ainda bem que existe lugar para todos neste mundo rs

      A Holanda em especial tem uma cultura muito diferente, qualquer menção a conforto parece luxo e arrogância.
      Conversei com um amigo holandês sobre isso, ensinando-o o significado da palavra “perrengue”.
      Ele disse que essa cultura tem raízes no protestantismo.

      Mas existem perfis de pessoas que adoram passar um perrengue para depois ter estória pra contar rs.
      Como você diz: “Que legal! Vai se divertir”
      bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.